<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 14.1.12

Segunda natureza

«Custa um bocado mas depois um gajo habitua-se». A mim não me custa que custe, mas custa-me que depois um gajo se habitue.

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 4.1.12

Retrovisor

Só quem não ouviu música na estrada, em 2011, pode ficar surpreendido com o facto da melhor música de 2011 (para ouvir no carro) ser uma música de 1985. As novas bandas trocaram a dor e o empolgamento por uma estética narcísica e pelas paredes do quarto. Lamento, mas notou-se.

O Doce Bárbaro

Durante vários anos, estiveram longe das livrarias e mesmo nos alfarrabistas era difícil encontrar estes dois livrinhos. Eu tive de ceifar muitas prateleiras até descobrir, na poeira, um exemplar do The Gentle Barbarian (edição de 1978), e da biografia do Chekhov não consegui recolher mais do que uns pedaços avulsos, numa antologia. Agora, para nosso vosso grande júbilo, estão ambos a ser reeditados pela Bloomsbury Reader e, mais tarde ou mais cedo, poderão ser adquiridos em livrarias com sede no estrangeiro, essa magnífica e vasta extensão de Portugal.